No Calor das Labaredas


No Calor das Labaredas
(Gujo Teixeira, Érlon Péricles)

Vou guardar estes momentos
Que há muito tempo procuro
No mesmo clarão maduro
Da lua potra sinuela
Que repontou uma estrela
Pra me guiar no escuro.

E a mesma noite que antes
Era silêncio e tapera
Já floresceu primaveras
Pelos campos da morada
Pondo rosas coloradas
No caminho das esperas.

E o rancho se encheu de risos
E o vazio virou oposto
Para os rigores do agosto
Que me mostraram depois
Que o mate tomado a dois
Sempre tem o melhor gosto.

Então quando os meus olhos
Campeiam os dela por perto
Revelam o rumo certo
Pra um coração sem fronteiras
Que às vezes acha porteiras
Mesmo estando liberto.

Quando chega a madrugada
Vestindo rendas e sedas
Trazendo das alamedas
Um vento feito oferenda
Vou me aquecer junto à prenda
No calor das labaredas.


Festivais

CD/LP