Flor Gaucha Do Itaqui (Dona Josepha)

Flor Gaucha Do Itaqui (Dona Josepha)
(João Sampaio, Walther Morais)

Licença dona Josepha pra este xiru campeiro
Quero cantar pra senhora um verso xucro e galponeiro
E “acavala” uma vanera das de floxá pessegueiro
Quando eu abro esta cordeona o bicharedo sai da toca
Os touros berram mais grosso tatu peludo cavoca
Escuitando esta vanera que além de troncha é pitóca

Cada vez que espicho a gaita lembro da Josepha cunha
Acordo o sol com um gaitaço e só co deus por testemunha
Chairo a goela... Abro o peito e agarro o rio grande a unha

Quando deus criou este mundo começou pelo Itaqui
Terra da Josepha cunha do Uruguai e do ibicui
Meu velho rincão da cruz que eu amo desde de guri
Com ela aprendi também um mandamento sagrado
Que cavalo de gaucho seja lobuno ou bragado
Não bebe água em balde nem come pasto cortado

Com ela foi que aprendi outra coisa meu parceiro
Que pelo trote de longe se avalia o parelheiro
E pelas garras que usa se conhece o bom campeiro
Sigo guasqueando a cordeona neste jeitão missioneiro
Lembrando a Josepha cunha virei ginete e gaiteiro
E vou domando esta vaneira que é de floxa pessegueiro

Festivais

CD/LP