Meu Poncho

Meu Poncho
(Alex Silveira, Matheus Leal)

Meu poncho antigo
Com sua baeta encarnada
Igual ao matiz do pampa
Quando rompe uma alvorada

Permita a comparação
Parece um carnal sangrando
Talvez um sol maragato
Da lenha que vai queimando

Meu poncho véio
Que mostra sua flor madura
Coloreando do avesso
A sua própria moldura

Meu poncho amigo
Companheiro das tropeadas
Um galpão pra minha alma
No frio de alguma pousada

Parceiros da mesma essência
Campeiros do mesmo ato
Escutem o meu silêncio
Só pela imagem dos fatos

Faço minha própria estrada
Nos caminhos da fronteira
Sobre a anca do meu flete
Meu poncho é rancho e bandeira

Comigo andou em peleias
Onde cruzam os ventenas
Mas também serviu de catre
Para o sono da morena

Por isso quando eu me for
Parceiros tirem o chapéu
Por respeito vou levar
Meu velho poncho pra o céu


Festivais

CD/LP