Chuva De Verão

Chuva De Verão
(Edilberto Teixeira, Juliano Moreno)

Fechou o tempo e, de repente,
Veio uma chuva temporona
E o vento, assoprando quente,
Tapou de cinza e cambona.

Foram os cerros se tapando
Sumindo com um pala branco,
Longe o céu trovejando
E a chuva lavando o campo.

A imprevista molhaceira,
Com um cheiro de coisa morta,
Chorou logo nas goteiras
E entrou de baixo da porta.

Tapada com o chuvisqueiro
A natureza está rindo,
‘’A chuva é como o dinheiro’’
Que lá do céu vai caindo.

Os pingos d’água, fininhos,
Parecem os olhos de um gato
Tremelicando os copinhos
Nas lagoinhas do pátio.

Pra botar o peito n’água
O peão se tapa com a xerga,
Cuidando as pontas de adaga
De um raio cortando a cerca.

Mermando os pingos na calha,
O peão adianta o serviço
E apara uns maços de palha
Pra negociar no bolicho.

Depois que a chuva se abranda
Se transformando em garoa,
Espera o sol na varanda
Com um chimarrão de erva boa.

E o sol retorna com essa
Campeira observação:
A vida passa de pressa
Como uma chuva de verão.

Festivais

CD/LP