A Paz Está do Meu Lado

A Paz Está do Meu Lado
(Flávio Saldanha, Armando Vasquez, Diogo Matos)

Então aqui me apresento neste Rio Grande sem fim
Todos me chamam de campo sou de terra e de capim
Com veias de rios e sangas correndo dentro de mim

Minha paisagem de gado cuido com dom e preceito
A vida pulsa a meu lado faço o que tem que ser feito
Para dar paz e sustento Deus me criou desse jeito

Por isso não vens agora com tua má criação
Sujar meu sangue de barro fazendo devastação
Não quero mais cicatrizes de arado e mato tombado
Muda de idéia e de rumo que a paz esta do meu lado

Quero a paz farroupilha que silenciou no clarim
Para que o homem um dia venha encontrar o fim
Da desavença da terra peleando em cima de mim

Quero ser pão sobre a mesa de quem souber me cuidar
Porque o descaso do homem venha aos poucos me matar
Teimando em tirar de mim bem mais do que posso dar



Festivais

CD/LP