Milonga Borgeana


Milonga Borgeana
(Jaime Vaz Brasil, Pery Souza)

Dentro do livro de areia
A ampulheta do tempo
Virou do avesso.

Quase sangrando nos becos
A fome de um tigre
Em mim.

E farejei as palavras no ar
A mão do vento se abriu
E pôs em folha suspensa
A Milonga Borgeana.

Mil criaturas da noite
Transpassam inquietas
Os vidros de um bar.

Monstro Aqueronte passeia
Na ponta dos pés
Em nós.

Deu-me um espelho esquisito e falou
Da forma que a vida tem
De pôr no rosto uma cara
Que a alma desenha.

Milonga Borgeana
Milonga de sombra.

Um tigre de quatro cores
Perdeu-se em teu labirinto.

Milonga Borgeana
Espada de vento

Nas calles de Buenos Aires
Nas calles de mis entrañas.

El viejo tiempo se espraia
Circula a doutrina
E suspende o punhal.

No corredor
Os rangidos do piso
São tão iguais...

Gume afiado, o destino que fez
A mão do escuro fechar
E pôr em muro de sombra
A Milonga Borgeana.

Abre-se a fresta del sueño
E se adentra um mistério
Um segredo e o frio.

Entro com eles
No espanto da casa
Del Asterion.

Ah, quem me dera eu pudesse tocar
Um solo de bandoneón
Ao olho atento que mira
O futuro e o mundo...

Festivais

CD/LP