POTREIRO

Título
POTREIRO
Compositores
LETRA
FABIO MACIEL
MÚSICA
ZÉ RENATO DAUDT
Intérprete
RICARDO BERGHA
Ritmo
MILONGA
CD/LP
07ª RONDA DA CANÇÃO GAÚCHA
Festival
07ª RONDA DA CANÇÃO GAÚCHA
Declamador

Amadrinhador

Premiações


POTREIRO
(Fábio Maciel, Zé Renato Daudt)

Costeando a casa da estância,
O galpão e as mangueiras,
O potreiro se estendia
Criando quatro fronteiras...
Pra quem ainda guri
Por saber pouco das domas
Costeava a própria lida
Tranqueando num faz de conta!

Sempre saía ao tranquito,
Pelo carreiro do gado
Pra imitar algum pingo
Levava o corpo ladeado
E tal se firmasse as rédeas,
A mão canhota “erguia”
Trazendo sempre sujeita
A zaina da fantasia

Solito e num tranco manso
Cruzava a tarde “no arreio”
Pra recorrer toda “estância”,
Sem nem sair dum potreiro...
Pois basta pra ser doutor
Na lida simples que falo
Ir “de a pezíto” no mais
Tal se estivesse a cavalo

Junto à cintura firmada
Tinha uma piola em rodilhas
Copiando o laço nos tentos
Golpeando anca e encilha
Pois só quem vai “campereando”
Entende bem o que passa
“Causo” um refugo na idéia
A corda era um dez braça!

O alecrim junto a mão,
- sem ramas e mais parelho -
Batendo à volta da perna
Era o respeito de um relho...
Pois sempre inventava balda,
- com alma e sina de arteiro -
Pra pôr o pingo “nos trilho”
E se mostrar mais campeiro!

Deixei um dia a querência
Tranqueando rumo ao povoeiro
E o tempo mostrou com calma
Que a vida é mais que um potreiro
E aos poucos fui percebendo
Conforme andei pela estrada
Quem imagina seu mundo
Precisa pouco, ou nada!


Festivais

CD/LP