O CARIJO E A PALMEIRA

Título
O CARIJO E A PALMEIRA
Compositores
LETRA
WILSON VARGAS
MÚSICA
SÉRGIO ROSA
Intérprete
MARCIO CORREIA
Ritmo
CHAMARRA
CD/LP
30º CARIJO DA CANÇÃO GAÚCHA
Festival
30º CARIJO DA CANÇÃO GAÚCHA
Declamador

Amadrinhador

Premiações


O CARIJO E A PALMEIRA
(Wilson Vargas, Sérgio Rosa)

São quatro noites de ronda, “carijando” a própria essência
Cantigas fazem querência e um verso abre clareiras...
E a voz da mata ervateira fala a voz que o povo compreende
É o onde o Rio Grande aprende o costume da Palmeira!!!

De quê valeriam mates, se não tivesse a magia...
E a pureza do dia pra que, alma e coração
Se benzam no mesmo chão, num ritual missioneiro
Em teu altar “carijeiro” o pago pede benção.

A cada “maio” que chega é uma crença majestosa,
Canta a arte em buena prosa mostrando a outros rincões
Origens e tradições...Tupã rondando os terreiros...
Mostrando para o mundo inteiro a “Palmeira das Missões”.

Referência pra os demais, seiva de planta nativa
Deusa índia sempre viva, mãe bugra dos ervateiros...
Mantendo aceso o braseiro assim aromando as obras
Cabreúva e guabiroba, em teu “jirau” cancioneiro!!!

Esta mescla de sabores entre a erva da Palmeira
E uma marca galponeira juntas no mesmo cevado
Parece algo sagrado, que o tempo não consome
Quando amadurece o nome n’algum carijo templado.



Festivais

CD/LP