DE NOITE NO GALPÃO

Título
DE NOITE NO GALPÃO
Compositores
LETRA
ROBERTO HUERTA
MÚSICA
CÉSAR OLIVEIRA
Intérpretes
CÉSAR OLIVEIRA
Ritmo
MILONGA
CD/LP
18ª COXILHA NATIVISTA
Festival
18ª COXILHA NATIVISTA
Declamador

Amadrinhador

Premiações


DE NOITE NO GALPÃO
(Roberto Huerta, César Oliveira)

O pai de fogo do universo se bolqueia
A noite chega arrastando as nazarenas
Traz tropilhas de estrelas no cabresto
E uma brisa sopra morna e serena
Noite clara que até parece um dia
Pra uma caçada não há lua mais buena

Recorro os campos da memória num segundo
Pra colher versos, que a safra não é pouca
O fogo grande em labaredas se consome
Pego a guitarra e a voz já meio rouca
Vai recitando velhos poemas campeiros
Que um a um, saltam da alma para boca

Embuçalo a xucreza do velho Jayme
Pra mesclar com o telurismo que há aqui
Na poesia universal do Silva Rillo
Vou passar a vida cevando um mate por ti
Milongueio Aureliano e Noel Guarany

Um trago largo vai dando mais inspiração
Pra o payador que canta o pago na essência
Busco na lida as razões pra um verso xucro
Que traz nas rimas todo o encanto da existência
Velho mistério que o gaúcho tem consigo
Este amor grande pela campeira querência

Vem de guri a mania de cantar versos
De andar disperso, payando o meu pago
Na boca da noite, na quietude do galpão
Mais vale a ilusão no canto que eu trago
Do que a verdade crua que se vê nas ruas
Que deixa esse nosso mundo mais amargo.


Festivais

CD/LP