Rodeio Dos Ventos

Rodeio Dos Ventos
(Marcelo D’Ávila, Aline Ribas)

Quando a cruz dobrou a lança
À sombra da catedral,
Vergada ao peso das preces
Morreu a crença ancestral.

O europeu cravou bandeira
No coração guarani
Profanando o ventre fértil
Da Grande Mãe Nhandecy.

Tupã conjurou seus ventos
Nesta luta desparelha
Cobrindo o céu das Missões
Com o pó da terra vermelha.

Tal qual inúbia de guerra
Num sonoro chamamento
Ergueu-se o sopro bravio
Deste Rodeio dos Ventos.

O tempo seguiu seu rumo
Nas patas ágeis de um flete:
O inimigo agora é outro
Mas a história se repete.

Quem sabe dobrem os sinos
Nos altos dos campanários
Pra evocar, noutro rodeio,
Novos ventos libertários.


Intérprete: Grupo Mas Bah

Festivais

CD/LP