Na Janela

Na Janela
(Silvio Costa)

Os meus dias findam nas colinas
Os meus olhos teimam em olhar
Só lembranças ficam nas retinas
De um tempo que não voltará

Os meus sonhos morrem nas auroras
Os meus medos fazem-me calar
Beijo o sol enquanto passam as horas
E o silêncio vem me acompanhar

O mourão prostrou-se ante o tempo
O galpão mudou-se de lugar
O piquete é túmulos e ventos
Nem os quero-queros vivem lá

Poças d'água não são mais espelhos
Pra que a lua possa se olhar
Uma trilha espessa de cimento
Roubou minha rua do lugar

Cada mate é um gole de lembranças
Dessas que o peito não suporta
Almas que galopam na estância
Entram sem que alguém abra a porta

O presente invade o meu passado
E o futuro quer o meu lugar
Nesta noite eu vou montar no baio
E pra querência eterna viajar

Eu já posso ver os quero-queros
E a porteira que aberta está
Um peão com um gesto tão fraterno
Me convida para chimarrear 

Cada mate é um gole de lembranças
Dessas que o peito não suporta
Almas que galopam na estância
Entram sem que alguém abra a porta

O presente invade o meu passado
E o futuro quer o meu lugar
Nesta noite eu vou montar no baio
E pra querência eterna viajar


Intérprete: Hevelyn Costa

Festivais

CD/LP