Quando Um Mate Traz Saudades

Quando Um Mate Traz Saudades
(Gilberto Trindade, Volmir Coelho)

Há muito trago guardadas, imagens vivas no peito,
Que destravam sentimentos quando mateio saudades,
Me levando tempo afora, por emotivas lembranças,
Onde deixei minha infância brincando na mocidade.

Tem tanta coisa bonita nesses rincões que visito
Que a cada gole sorvido, solto um sonho da prisão,
Revendo ternos olhares entre agruras e alegrias,
Quando eu passo pelos dias, das proseadas no galpão.

Precisa luz da ciência para explicar o que habita,
Nas imagens escondidas dos rincões de todos nós,
Que furtivas vem a tona, pelos remansos da alma,
Quando nossas horas calmas, fazem lembrar dos avós!

Neste mundo onde me encontro com diletos corações,
Tem conflitos e ilusões, mas também muito carinho,
Com ancestrais reunidos mateando nas madrugadas,
De uma fraterna morada onde o amor tinha seu ninho.

Tem o calor dos abraços, nessas imagens que trago,
Algum tombo mais amargo e sonhos vagando ao léu,
E um gosto de benquerença, nos gestos pulsando a vida,
De velhas mãos estendidas, qual escadas para o céu.


Intérprete: Volmir Coelho

Festivais

CD/LP