Contrariedades

Contrariedades
(Miguel Cimirro, Cristian Camargo)

Os campos estão vazios
E ventos não sopram mais
Na suavidade ondulada
Das coxilhas e parronais
Já sem gados e manadas
No pasto chora el rosilho
E a quietude manhãneira
Que um quero-quero feriu

A sanga da várzea do salso
Foi cortando mansamente
Da água restou quimeras
Que morreram nas nascentes
E o velho posto do umbu
É tapera nas lonjuras
Só em silêncio um palanque
Testemunhando amargura

"Por certo, as contrariedades
Que florescem nos humanos
Apeiam na hora triste
Daqueles que aqui plantaram
Seguem silêncio o palanque
E eu já nem sei de mim mesmo
Os campos seguem vazios
E os homens seguem a esmo"

Como ter vida serena
Se não há alma memória
Pra que ter pilas e glórias
Se o mundo anda avesso
Ninguém entende mais nada
Ou nem sabe de si mesmo
Eu ando a buscar respostas
Ainda que eu ande a esmo

A sanga da várzea do salso
Foi cortando mansamente
Da água restou quimeras
Que morreram nas nascentes
E o velho posto do umbu
É tapera nas lonjuras
Só em silêncio um palanque
Testemunhando amargura


Festivais

CD/LP