Ressaca Das Cheias

Ressaca Das Cheias
(André Oliveira, Marcelo Oliveira)

Escoa o manto das águas
No cepilhado da várzea
Destapando sangue e passo
Que afogaram o santa fé

Entre a grama boiadeira
Suspensa sobre o banhado
Exalto o azul desbotado
Da linda flor do aguapé

Uma vaca redemunha
Mugindo grosso e tristonho
Empurrando seu terneiro
Pra ressaca da crescente

Se atira escorando a cria
Entre a paleta e o vazio
Costeando a barranca do rio
Contra os resquícios da enchente

A ovelha berra o cordeiro
Desce a coxilha ao rodeio
Quando a cheia se aniquila
Com a mesma força das águas
Também afogo minhas magoas
No manancial das pupilas

A crescente se destapa
Deixando sempre armadilhas
Trampas de olho de boi
Com flexilhas rebrotadas

Atoradouros profundos
Formando belas miragens
De verdejantes pastagens
Sobre o mundéu das aguadas

O campo enxuga as águas
Mas não apaga a ressaca
Ficou de herança da cheia
Alguns touros estaquiados

Ossamentas pelo passo
E um varal de palha estendida
Da macega ressequida
Nos sete fios do alambrado


Festivais

CD/LP