Despedida

Despedida
(Vasco Velleda, Severino Moreira, Tiago Cesarino)

Fechei o último baio
Tomei o último amargo
Deixei o resto de mim,
E me larguei pelo pago.
Vai ao tranco meu cavalo
Que a sorte é mesmo assim
Vem comigo meu cachorro
Fazendo fiador para mim.

Não quis olhar para trás
O que tinha não quis ver,
Mas minha alma enxergava
E me fazia sofrer
No mais não deixava nada
Na face crua do chão
Afora a marca afundada,
Com a forma do meu garrão.

Indefinido destino,
Na incerteza do amanhã,
Sem a vastidão do campo
Sem o canto de um tahã.

Eu só levava comigo
Um retrato amarelado,
Uma estampa torena,
Um semblante enrugado,
Minha escola de campo,
Meu acervo sagrado,
... Semblante terno do avô,
Que a terra tinha levado.

Um amargor pela boca...
O campo todo vendido,
A vida no fio da faca
E o meu olhar perdido...
O rancho velho a mangueira,
E logo adiante a carreteira
Uma saudade veiaca
Me esperando na porteira

Festivais

CD/LP