Caseriando

Caseriando
(Ênio Medeiros)

A noite turva era um breu
A lua estava em férias no infinito
Somente sobre os tentos de um catre vazio
Dava corda no relógio um grilito

Uma coruja chia espantando os cavalos
A cachorrada uiva quebrando o silêncio
Uma pulga chega pedindo pousada
Acampada nos pelegos do Terêncio

Sou caseiro, casereando, eu casereiro
Nos ranchos, nas fazendas e onde ande
Sou feliz por ter nascido aqui no sul
E fazer parte deste querido Rio Grande

Me reviro, perco sono e vou pensando
Em tesouros, causos de assombração
Um galo canta, se dormiu, não sei se ouviu
O pingo baio relinchando no galpão

Vou tirar leite a vaca estranha e senta as pata
Galinha, porco, reclamando seu quinhão
Pego o sogueiro, dou um jeito na recolhida
Nem tive tempo de tomar meu chimarrão
          
Conto nos dedos quantos dias ainda faltam
Pra sair do compromisso e da rotina
Comer comida feita por mão de mulher
E ir ao povo se encontrar com alguma china

Tomar um trago, parceiro do índio vago
Dar uma bailada nas bailantas da costeira
Contar ao patrão que aqui está tudo bem
Se for preciso eu casereio a vida inteira


Festivais

CD/LP