Botando Co’as Duas Mãos

Botando Co’as Duas Mãos
(João Sampaio, Quide Grande, Elton Saldanha)

Fui fazer uma gineteada dessas de saltar cavaco
Um burro pior que o diabo, eu apertei bem no sovaco
Meteu as patas na cara e “quaje” caiu num buraco
Cruzou por baixo da cerca, rasgando tudo meus caco

Pois já no primeiro pulo que deu aquele pagão
Se foi o basto pra anca e eu fiquei só no xergão
Enxergava um par de espora se entortando no garrão
Cada corcóvio que dava tirava lasca do chão

Berrava se manotendo, sempre querendo virar
O tal burro criou asas, andava solto no ar

E eu gritei segura o burro,
Segura o burro, segura o burro
Porque eu não tenho seguro,
Porque eu não tenho seguro

E eu gritei segura o burro,
Segura o burro, segura o burro
O destino de um domador
É bonito mas é duro

Eu gineteava este maula quebrando os queixo a tirão
Virava o cabo do mango, botando co’as duas mãos
Se dava a volta por cima que eu chegava ver meu fim
Parecia um redemoinho que vinha atando capim

Cravou o focinho na terra igual touro num cupim
E umas nove ou dez cambota virou por cima de mim
Já surrei bicho veiáco de corcoviá o dia inteiro
De esparramá a tarecama e voltar só c’o baixeiro


Festivais

CD/LP