À Luz De Candeeiro


À Luz De Candeeiro
(Dionísio Costa)

Um éco de gaita cruzou pelo campo
Quebrando o silêncio da noite calada
E como o luzeiro de algum pirilampo
A lua clareava o rumo da estrada
De longe se ouvia o som do rio grande
Embalando a alma do povo campeiro
Que passa a semana grudado na lida
E de vez em quando engarupa a vida
Num baile gaúcho à luz de candeeiro

Assim é o Rio Grande dos bailes campeiros
Com gaita, cantiga, namoro e peleia
Feitiço que chega de olhares matreiros
Com a labareda que a sala clareia
Porque o candeeiro que revela o baile
Jamais enfraquece e não se apaga o lume
Pois ele é o luzeiro da raça nativa
E em nossa alma é uma chama viva
Mantendo a essência dos nossos costumes

Na voz do gaiteiro, inventando vanera
E a gaita enfeitando o quadro mais lindo
O ar ganhou vida de campo e mangueira
No cheiro de terra da poeira subindo
E quando a noite se foi despacito
Arrastando o dia por várzea e potreiro
Me fui estradeando e mui satisfeito
Levando uma baita saudade no peito
Do baile gaúcho à luz de candeeiro



À LUZ DE CANDIEIRO - GRUPO LUZ DE CANDIEIRO by dionisioccosta

Festivais

CD/LP