A Bruxa Da Estância


A Bruxa Da Estância
(Leonardo Quadros)

Noite de inverno gelado
Ela vem pelo costado e se esconde no galpão
Trança a clina da potrada
Canta dança e dá risada metendo medo no peão

É a bruxa aqui da estância
Que assombrou minha infância e hoje voltou pra assombrar
Que me espia da janela
Do meu rancho sem tramela quando empeço a milonguear

Bruxa véia campesina
É uma formosa china que se perdeu por aqui
Te canto essa melodia
Pois eu sei que todo o dia vem pro galpão pra me ouvir

Dizem que tu é malvada
Que tu é alma penada e que não tem coração
Sei que tu é muy gaúcha
Me responda Dona bruxa porque ronda meu galpão

Em noite de lua cheia
Tua vassoura veiaqueia e até escuto os laçaços
Esssa Bruxa é muy Gineta
Crava espora na paleta e até arranca pedaço

Pra mim que vivo lidando
Junto uns cobre trabalhando nessas estâncias gaúchas
Pouca coisa não me assombra
Pois a miséria que ronda é pior do que essa bruxa

A senhora não se acanha
Bruxa veia de campanha, venha pro galpão comigo
Com grande satisfação
Vou cevar um chimarrão pra matear junto contigo



Festivais

CD/LP