Milonga Para Dom Jorge


Milonga Para Dom Jorge
(Gilnei Baruio Silva, Igor de Macedo)

Passos firmes se ouvia de Dom Jorge pela casa
Acordando a madrugada pra sorver o seu amargo.
Mete lenha no braseiro, dona Diola sua parceira,
Que passou a vida inteira sempre firme do seu lado.

Pra quem tirou da terra seu sustento pra a vida
Sabe que é bruta a lida, mas não se pode "frouxar"
Corredores são caminhos pra um cerne que não dobra
E faz da vida sua obra não se deixando pealar.

Uma Silhueta franzina, que nasceu enforquilhada,
C'oa a xerenga embainhada e uma espora já sem dente.
No costado o Piloto -seu perro "Vale Quatro"
Que não aceita desacato nem de bicho nem de gente.

Se findou mais um campeiro, se acabou mais uma história,
Mas que fica na memória de quem com ele aprendeu.
Em meu canto se eterniza Dom Jorge, homem gaúcho,
Que se firmou no repuxo e num campo se perdeu.

Festivais

CD/LP