Milonga Em Tempo De Seca


Milonga Em Tempo De Seca     
(Vaine Darde, Everson Maré)
                                                       
Parceiro,
Que desgraça essa seca infame,
O sol queimando o pasto,
Infernizando os homens,
Na lenta agonia que abate o boi...
Essa sede de verde que se estende a lo largo,
A taipa se destapa, refugando o gado,
Na luta de quem sonha pra chorar depois!

“La pucha”, patrão velho que castigo maula
O suor que nos ensopa,
Pra salvar a tropa,
E o rebanho penando cada dia mais...
Não há com quem contar na falta das aguadas,
Só o terço e a novena das mulheres nas casas,
Nos levam de à cabresto,
Nos fundões rurais!

Me resta lá no passo
Um olho d’agua escasso,
Quem sabe salvo o cusco,
O baio, o porco, o guacho
E uma tambeira buena pra manter os piás...
Santinha me prepara por favor um mate,
Com a água que ainda resta nesta bordalesa,
Não quero que a tristeza me desmame a fé!

Festivais

CD/LP