Coplas de Terra Morena


Coplas de Terra Morena
(Gujo Teixeira, Xirú Antunes, Gustavo Teixeira)

Enquanto a terra morena florescer sonhos e cardos
E as tranças forem o rumo dos buçais bem reforçados,
Pra escorarem os tirões dos baguais de primavera
Então serei um dos poucos a não me tornar tapera.

Donde provém meu sustento é donde o baio relincha
E o vento que venta norte toreia o capim da quincha
Eu sei meu mundo é pequeno, vai pouco além da invernada
Mas sei que tem muito mundo pra onde segue esta estrada.

O mundo que segue a estrada eu muito pouco conheço
Mas sei dos que aqui voltaram que é um mundo do avesso
Onde os sonhos valem pouco e a alma dos campeiros
São escravas dos fantasmas que lhe apartaram do arreio.

E enquanto eu tiver meu baio e a força sustenta o braço
De certo não passo fome, como com a boca do laço
Pois quando se abre no céu armada depois rodilha
Meu mundo fica por conta só do botão da presilha.

Sou campo, terra e bem mais do que eu possa desejar
E um dia a terra morena vem por certo nos cobrar
Então serei só recuerdos povoando sonhos e fatos
E um semblante gaúcho na palidez dos retratos.



Festivais

CD/LP