Meu Rancho


Meu Rancho
(Jayme Caetano Braun, Noel Guarany)

É a sina dos tapejaras
Essa de beber mensagens
Que o vento traz nas aragens
Do fundo da noites claras
Bordoneando nas taquaras
Ou pelas frinchas da porta
Porque reanima e conforta
O velho sangue guerreiro
E se eu nasci missioneiro
O demais pouco me importa.

Nasci no meio do campo,
Na costa do banhadal
Dentro dum rancho barreado,
De chão duro e desigual
Meu berço foi um pelêgo
Sobre um couro de bagual!

Bebi leite na mangueira
Numa guampa remachada
E acavalo num tição
Me aquentei de madrugada
Enquanto o vento assobiava
Nos campos brancos de geada!

Brinquei com gado de osso
Na sombra do velho umbu
E assim volteando um amargo
E o churrasco meio cru,
Fui crescendo e me orgulhando
De ter nascido um chirú!

Depois de andar gauderiando
Por muita querência estranha
Hoje vivo no meu rancho
Na humildade da campanha
Junto a chinoca querida
E um cusco que me acompanha!

Na estaca em frente do rancho
Dorme o pingo meu amigo
Companheiro que eu adoro,
Prenda guasca que bendigo
Pois alegrias e penas
Sempre reparte comigo!

É meu vizinho de porta
Um casal de quero-quero
Por isso, embora índio pobre,
Bem rico me considero:
Tendo china, pingo e cusco
No mundo nada mais quero!

E quando de noite a lua
Vem destapando meu rancho
Agarro na gaita velha
Que guardo erguida no rancho
E dando rédeas ao peito
Num vanerão me desmancho!

E meu verso é como o vento
Que vai dobrando as flexilhas
E floreia compadresco
O hino destas coxilhas
Entre os buracos de bala
Do pavilhão farroupilha!

É mesmo que bombeador
Dos piquetes de vanguarda
Que vem abrindo caminho
Pelas tropas da retaguarda.
Enquanto a cordeona chora
Meu cusco fica de guarda!

E ali pela solidão
Onde meu canto escramuça
Parece que a noite velha
Cheia de mágoas soluça
E a própria lua pampeana
No santa fé se debruça!

Mas pra deixar o sossego
Do meu rancho macanudo
Basta só a voz de um clarim:
Com china e cusco me mudo
Pra defesa do Rio Grande
Que adoro acima de tudo.

Festivais

CD/LP