Uma Sombra De Carreta


Uma Sombra De Carreta
(Eduardo Monteiro Marques, Wilson Paim)

Uma sombra de carreta
Que o sol desenhou comprida
Ergue o pescoço dos freios
Na direção do nascente
Alongando as paisagens
Aos caminhos de uma vida
Que ao tempo ficou perdida
Na alma de muita gente

Teu rodado cambaleante
Tem léguas de solidão
As tristezas das estradas
Que os herdeiros da saudade
Ajojaram a distância
Que se fez transformação
Quando lembranças são sombras
Que vão crescendo na tarde

Tapejaras pensadores
Donos do próprio destino
Fizeram história ouvindo
O chio da chaleira preta
Na faculdade campeira
Onde tiveram ensino
Sob uma lua de prata
Ou na sombra da carreta

Foi um fogão carreteiro
Que o Rio Grande conheceu
Um hino de liberdade
A cada mugido de boi
Nele iniciou o progresso
Hoje dele se perdeu
Só tem nos olhos a sombra
Da carreta que se foi

Do cerne de sua carcaça
Restaram algumas madeiras
Assim como uma tronqueira
Ficada da evolução
Sustentando o tempo velho
De uma vida desbotada
Com a carreta guardada
Na sombra do coração

Tapejaras pensadores
Donos do próprio destino
Fizeram história ouvindo
O chio da chaleira preta
Na faculdade campeira
Onde tiveram ensino
Sob uma lua de prata
Ou na sombra da carreta

Foi um fogão carreteiro
Que o Rio Grande conheceu
Um hino de liberdade
A cada mugido de boi
Nele iniciou o progresso
Hoje dele se perdeu
Só tem nos olhos a sombra
Da carreta que se foi

Uma sombra de carreta
Na sombra do coração

Festivais

CD/LP