Janelas Da Liberdade


Janelas Da Liberdade
(Pedro Ortaça , Jorge Enio)

É pela marca que se sabe o dono,
É pelo berro que se acha a cria
Mas quem tem marca e ainda berra
Vive a esmo pelas sesmarias.
Se até o gado busca ser livre
Em noites altas pelo vão do arame,
Porque alguns homens com sabedoria
Usam buçal acatando infames.

Calar a voz e curvar o lombo,
É viver em vão e não ter consciência
Andar na verga é para boi manso
Que por ser bicho cumpre a penitência.
Mas se nascemos para sermos livres
Porque então aceitar o ajoujo,
Maneias e cordas são para animais
Que não trazem anseios dentro do seu bojo.

Mudaram-se os tempos
Não mudaram aqueles
Que insistem na castra da liberdade
Com ausências arcaicas carregam museus.
Que insistem ainda viver de saudades
Janelas se abrem ao abrirem-se os olhos
Mas para vermos precisam visão,
Querer ser livre, soltar as amarras
Largar o grito com o coração.

Festivais

CD/LP