Duas Cordeonas


Duas Cordeonas
(Sidney Almeida)

A gaita nova ganhei da minha prenda e a gaita velha herdei da vovó,
A gaita velha é sistema dois socos e a gaita nova é de um soco só,
Em quanto tocando eu espicho as gaitas, vocês dançando espicha o mocotó.

Mas oiga lá te cordeona, vocês as duas não são brincadeira,
Encosto a velha e dou de mão na nova e sigo metendo ficha a noite inteira.

Tocando baile ou animando festa, ou acompanhando poesia e trova,
Com duas gaitas tudo fica fácil, como gaiteiro já fiz esta prova,
Quando me canso de tocar na velha, eu largo dela e me agarro na nova.

Mas oiga lá te cordeona, vocês as duas não são brincadeira,
Encosto a velha e dou de mão na nova e sigo metendo ficha a noite inteira.

Com velha e nova tudo que aprendi, não está escrito nem está no mapa,
A nova é boa mas resiste pouco e velha aguenta porque é mais guapa,
Os furos dela é que prejudicam, porque se aperta muito o vento escapa.

Mas oiga lá te cordeona, vocês as duas não são brincadeira,
Encosto a velha e dou de mão na nova e sigo metendo ficha a noite inteira.

No exercício da minha profissão, eu já formei minha filosofia,
Quem puxa fole uma noite inteira sabe da gaita toda serventia,
Sabe que a velha fica toda frouxa, que a nova é boa depois de macia,

Mas oiga lá te cordeona, vocês as duas não são brincadeira,
Encosto a velha e dou de mão na nova e sigo metendo ficha a noite inteira.

Mas cada louco tem uma mania e faz as coisas como bem lhe agrada,
Pois tem gaiteiro que usa o sistema de fazer troca pela madrugada,
Quando me canso de tocar na nova eu pego velha que está mais sovada,

Mas oiga lá te cordeona, vocês as duas não são brincadeira,
Encosto a velha e dou de mão na nova e sigo metendo ficha a noite inteira.

Festivais

CD/LP