Milonga de Sombras


Milonga de Sombras
(Jaime Vaz Brasil, Vitor Ramil)

As sombras que me rodeiam
Virão um dia cegar-me.
Seus vultos lentos e escuros
Incitam mudos alarmes.

O vidro das ampulhetas
Espelha as sombras que sinto
Na luz que aos poucos se afasta
Perdida em meus labirintos.

A mão que empunha o destino
E entre as sombras passeia
Derrama sobre meus olhos
Negros punhados de areia.

Um tigre manso e selvagem
Nas cores forja o oposto
Enquanto garras de sombra
Insere contra meu rosto.

A noite áspera e longa
Põe vendas em minhas vistas
E em suas sombras perenes
Me aflige e me conquista.

A mão que empunha o destino
Punhais de sombra me entrega;
E me reflito, impassível,
Em suas lâminas cegas.

Festivais

CD/LP