Pela Volta Das Casas

Pela Volta Das Casas
(Jader Leal, Gilmar Batista)

Quando a saudade abre suas asas
Me vejo um menino ao redor das casas
Florescendo o arvoredo, perfume bueno no ar
A cacimba cheia, junto às taquareiras
O barreiro canta sua sinfonia,
Anunciando o dia, para a companheira

Tinha confiança, na minha tordilha
Que foi bem domada, só pra minha encilha
A invernada grande, o passo do fundo
Roendo as barrancas, segue o seu destino...
Vou seguindo o rastro, que deixei no pasto,
E revivo o tempo quando era menino

A figueira grande, o açude ao lado
Descarnar moirões, pra o novo alambrado
O varal de roupas, o jardim da casa
Gado no rodeio, berro de terneiros
Regeira torcida, pra calar na orelha
E arrastar madeira, pra amansar tambeiros

Hoje meu mate, me trouxe a infância
E eu me vi menino, no galpão da estância
As vacas de leite, vindo pra mangueira
O monte de lenha, e as estrebarias
O mate cevado, cambona chiando
Os guaxos berrando, ao clarear o dia

A vida no campo, faz parte de mim,
Pois me viu nascer, e há de ver meu fim
Um dia eu volto, pra soprar as brasas
Montado num flete, ao vento sulino
Revendo o destino, e então eu me sinta
Outra vez um menino, na volta das casas

Festivais

CD/LP