Não Sou Gaucho De Andar Inventando

Não Sou Gaucho De Andar Inventando
(Getulio Silva, Mario Nenê, Walther Morais)

Nasci na costa do cerro sempre lidei com manadas,
Sou parceiro da verdade, entre prosa e patacoadas
Eu sou do rio grande velho sempre sustento o que digo
Proseio com quem conheço e não falo mal dos amigos,
Depois da palavra dita não tem jeito de voltar
Por isso aprendi na vida, pensar antes de falar

Para quem não me conhece e anda por mim perguntando
Sou do lombo do cavalo, sustento o que estou falando
De fato! Eu não sou gaúcho de andar no mundo inventando...

Depois que eu der a palavra não precisa documento,
Não volto atrás no que digo não reduzo  e não aumento
E quem diz o que não deve, sempre escuta o que não quer
Por isso tenho cuidado com negocio e com mulher
O homem que fala muito por vez se enreda em maneia
Se o caso for desse jeito da divorcio e da cadeia

Conheço muitos viventes que andam falando lorotas
Não cumprindo os compromissos, vendendo as bombacha e botas
Outros tantos vão seguindo falando da vida alheia
E alguns que são abonados choram de barriga cheia
Pra sobreviver no mundo cada um faz o que pode
Eu ando de espinha reta honrando o fio do bigode

Festivais

CD/LP