Milonga Da Saudade

Milonga Da Saudade
(Pery Souza, Sérgio Napp)

A saudade quando aperta o seu cerco
Não avisa
Chega sempre de surpresa
Se debate o coração apaixonado
Mas não larga, a saudade
Sua presa.

Os apitos são avisos de partida
Chora o vento
Chora o rio de encontro as pedras
Só não chora quem secou-se por primeiro.

Quem a vê assim parada e tão triste
Olhos secos
A esperar quem não virá
Não entende que o amor é uma sina
Alucina
E faz ver onde não há.

Quando o sol se esconde
E ao porto chega enfim a calmaria
Mesmo então as aves fogem assustadas
Ao ouvirem o gemido da saudade.

Intérprete: Shana Muller


Festivais

CD/LP