Água No Lombo

Água No Lombo
(Jader Leal, Mateus Lampert)

Finda a manhã de sol quente no janeiro
E o ovelheiro busca a sombra do galpão
Vem assoliado de um aparte de rodeio
Enquanto apeio e desencilho o redomão

Tiro dos queixo o bocal de couro cru
E o basto Paysandu molda o cavalete
Quem sabe hoje se apequene a estiada
Numa chuva anunciada lá pras bandas do Alegrete

Água no lombo da cavalhada da encilha
O rádio de pilha no compasso da chamarra
Imagem linda, mais um dia de verão
E no oitão os guaxos fazem algazarra

Água no lombo e a cavalhada na soga
O peão afoga o calor num gol de canha
Que contra o mate vai fazendo um costado
Assim me agrado dessa vida de campanha

Meia tarde vem chegando a recolhida
De pronto a lida chama prá invernada
Revisar uns boi, tá pintando o carrapato
E o mulato tirá uns pulo na gateada

Boi cruzado de zebu com polhango
Tala de mango prá um refugo caborteiro
Volta tranqueada e o capataz vai ao trote
Juntar um lote de borregos no potreiro

Água no lombo busco a volta e tiro o freio
E o tempo feio se arma num vento norte
Junto os pelego que deixei estaqueado
Pois sei o lado de onde vem a chuva forte

Água no lombo mais um dia que se acaba
Tapeio a aba do sombreiro prá o horizonte
Tá com jeito de que amanhece chovendo
Seria bom ta prometendo a dois ontonte

Festivais

CD/LP