Vertentes

Vertentes
(Marcelo Góes, Diego Camargo)

No ar, o aroma das flores
Emite sinais de um cenário por vir
O agricultor com as mãos calejadas
Evoca suas preces a deus ao dormir
Desde setembro é uma árdua jornada
Outrora sofrida sem nunca desistir
Arados a postos! A terra desnuda
Aguarda a semente para se fundir

Lá “nas casa” se ouve cantigas do sul
Na barragem um piazito pescando ao léu
É cedito e o mate aquece as almas
O som dos tratores faz um escarcéu
Um guaipeca festeiro agita o ambiente
Chuveu, veio sol, tem arco-íris no céu
Um sapucai estridente é ouvido a distância
É o capataz da estância fazendo seu papel

Verte esperança do ventre pampeano!
Cada homem no campo gera produção
Chuleia o clima como num jogo de truco
Quer 12 pontos e agüenta o tirão
Na família o esteio, a essência, o afago
O amparo almejado em dias de exaustão
A lida é pesada um sagrado ritual
Quiçá esse esforço não seja em vão

Mais adiante estrelas vigiam as lavouras
Dão brilho ao dourado tom dos arrozais
A lua cheia é prenúncio de fartas colheitas
Sob proteção de nossos ancestrais
Se passaram alguns meses ... Amanheçe o dia
O trem corta os trilhos rumo ao cais
Um galo ouriçado ecoa seu canto
Fazendo parceria com os cardeais

É domingo e a campanha está mais risonha
Pariu grãos em uma safra que valeu por três
Enche o peito de orgulho toda a peonada
Ontem o patrão mandou carnear uma rês
O churrasco apronta no fogo de chão
Trovadores rimando um de cada vez
Fragmentos da herança de nosso passado
Evidências de uma estirpe com intrepidez

Festivais

CD/LP