A Campo A Fora


A Campo A Fora
(Eron Vaz Mattos, Luiz Marenco)

Manhã linda, vento morno, os ovelheiros trabalham
Cheiro de flores exalam de campo, várzea e banhado
Olho atento, laço armado, cuidando o lado do vento
Pra estender os quatro tentos nas aspas de um abichado

O Éder velho firma a rédea e laça um boi
Livra o tirão e depois froxa pro garreio
Cérro de perna, abro o cavalo e estendo a trança
Num lindo pealo na beirada do rodeio

Deixa cinchando mas passa a rédea no laço
Porque esse zaino sabe muito desse enleio
Orelhas firmes, mui atento no serviço
Sem outro vício que ficar mordendo o freio

Se tá curado, tira o laço, apara a cola
Arruma as garra enquanto eu fico cinchando
Monta a cavalo, ralha os cachorros pra trás
Que o boi é brabo, vai sair atropelando

De volta às casas, trote manso, pingo suado
Chapéu tapeado e os ovelheiros de atrás
Olhando ao longe o espinhaço do horizonte
Onde o sol treme e a distância se refaz

Se assusta feio o meu cavalo se negando
De um avestruz que de repente sai do ninho
Desprevenido quase saio dos arreio
O que me vale é ter pegada nos machinhos!

Se tá curado, tira o laço, apara a cola
Arruma as garra enquanto eu fico cinchando
Monta a cavalo, ralha os cachorros pra trás
Que o boi é brabo, vai sair atropelando

Festivais

CD/LP