Flor De Tapera


Flor De Tapera
(Fernando Soares, Juliano Gomes)

Ao trote pego o rumo dessa estrada
No findar da madrugada, quero apear na tua cancela
Pois brilha teu olhar de lua mansa
Num compasso que balança, refletido na barbela.

O cheiro do orvalho que apeia
Numa flor de pitangueira, quando cruzo na tapera
É o mesmo que se encontra perfumado
Na querência dos teus lábios, me esperando na janela.

Florzita de campo, flor de tapera
Teu doce de encanto, de tiro no campo
Pra um sonho de espera
Florzita de rancho, bordando a janela
Semblante moreno, olhar com sereno
Desta primavera.

O vento, molda a pampa de canhadas
Pra estender longe a mirada, sobre o vasto das flechilhas.
E o casco, encurtando meu caminho
Pra cruzar com teu carinho, no afrouxar da presilha.

Os olhos com lampejos na mirada
Quando apeio na ramada, me acenando da janela
E os lábios murmurando querendona
Pitangueados pelo aroma, que roubou de uma tapera

Florzita de campo, flor de tapera
Teu doce de encanto, de tiro no campo
Pra um sonho de espera
Florzita de rancho, bordando a janela
Semblante moreno, olhar com sereno
Desta primavera.

Festivais

CD/LP