Picaço Velho


Picaço Velho
(José Mendes)

Um dia eu saí a camperear sozinho no meu picaço velho de estimação
Ele saiu relinchando como adivinhar que não voltava mais para seu galpão
O meu picaço velho era um cavalo que foi bem ensinado e muito mansinho
Quando eu tinha preguiça de buscar o gado o meu picaço velho trazia sozinho

Sai à galopito pela estrada afora e meu picaço velho ia remoendo o freio
Eu sai com o destino de ir na invernada só para ver meu gado e dar sal no rodeio
Depois que eu dei o sal eu vi um boi brazino e sempre boi brazino bem valente é
Apartei ele do gado  desatei meu laço arrochei o meu picaço só pra ver o tropel

Lacei esse brazino lá na beira do mato e esta estória triste até o animais sentem
O meu picaço velho se perdeu no valo e eu abri a perna a sai lá na frente
E este boi brazino quando me avistou abaixou a cabeça e fez um pegada
Tirei o corpo fora ele passou por mim, olhei para trás e dei uma risada

E foi nesta rodada que meu pingo amigo ficou estendido na terra vermelha
Mas joguei meu doze braças e argola tiniu peguei as duas guampas e defendi as orelha
E quando estirou o laço desse boi brazino ele virou de ponta nem pro mato foi
O meu picaço velho que quebrou o pescoço e morreu gemendo e olhando pro boi

Festivais

CD/LP