Inverno Pampeano

Inverno Pampeano
(Adair de Freitas)

Lá vem o Minuano açoitando as macegas
Nas frinchas do rancho um medonho assovio
O gado procura um capão pro abrigo
E o cusco parceiro tirita de frio

Na fúria dos ventos do inverno pampeano
Alambrado tinindo se torna um bordão
Que a mãe natureza dedilha sem pressa
Entoando na tarde uma triste canção

Ao pé de algum fogo se abanca o Gaúcho
Enrolado no pala pra um mate parceiro
A cuia campeira de mão vai trocando
E aquece a amizade entre rudes campeiros

Os tauras conhecem do tempo suas manhas
Se acaso na noite o Minuano cessar
Vai ter geada grande branqueando as coxilhas
Paisagem tão linda só Deus pra pintar

Inverno pampeano de opaco matiz
Do fogo campeiro clareando os galpões
É tempo em que os sonhos se tornam mais gris
E acordam lembranças de antigos verões

Mas quando o agosto se finda e nos ranchos
A vida caminha em compasso de espera
A moça bonita já sonha com o campo
Abrindo mil flores para a primavera

O inverno pampeano então se despede
Se vai correr mundo e depois voltará
Trazendo a esperança de paz entre os homens
E a luz da igualdade que um dia virá

Ao pé de algum fogo se abanca o Gaúcho
Enrolado no pala pra um mate parceiro
A cuia campeira de mão vai trocando
E aquece a amizade entre rudes campeiros

Os tauras conhecem do tempo suas manhas
Se acaso na noite o Minuano cessar
Vai ter geada grande branqueando as coxilhas
Paisagem tão linda só Deus pra pintar

Inverno pampeano de opaco matiz
Do fogo campeiro clareando os galpões
É tempo em que os sonhos se tornam mais gris
E acordam lembranças de antigos verões

Festivais

CD/LP