Meu Pingo

Meu Pingo
(Luiz Marenco, Jayme Caetano Braun)

O pingo do meu arreio fui eu mesmo que domei
Arrocinei, enfrenei, no estilo do pastoreio
Mestre de cancha e rodeio, gateado de toda crina
Fogo aceso na retina, que jamais apaga o brilho
É o cavalo que eu encilho, nos dias de ver a china

Me espicho ao trote chasqueiro, numa toadita de ronda
Bombeando a lua redonda daquelas de corpo inteiro
Talareando o parelheiro, que não precisa de pua
Nesta comunhão charrua, entre o gaúcho e o pingo
Que adivinha que é domingo, e vou rever a chirua

Ele conhece o caminho, das outras vezes que veio
E vai atirando o freio, no rumo certo do ninho
E eu me tapo de carinho, o coração corcoveando
Meio tonto imaginando, um beijo de amor sincero
E não falta um quero-quero, pra avisar que vou chegando

Festivais

CD/LP