De Lua Linda

De Lua Linda
(Gustavo Teixeira, Gujo Teixeira)

A lua cheia ponteou de novo no céu da pampa,
Desenhando estampa, imagem clara, poncho e chapéu,
Tranco largo, bom cavalo,
Quando o céu num pealo fez uma estrela vir de "buléo".
Luz cadente, noite afora,
E o meu par de esporas tem um brilho raro vindo do céu.

Faz contraponto com a prata inteira destas rosetas,
Clareando a silhueta que a luz da lua estendeu no pêlo.
Minha gateada, lume o ouro
Que prendeu no couro pra trazer o brilho assim de sinuelo,
E a lembrança é um açoite
Pra quem vê na noite uma flor amarela enfeitando o cabelo.

Toda distância se perde aos poucos rumando à estrada,
Léguas e a gateada, ao tranco, parece que voa,
Sabe o rumo, falta um eito,
Pois me aperta o peito uma lembrança dela que andava à toa.
"Fróxo" as rédeas e as ponte-suelas
Quebram lua e estrelas no espelho grande e fino da lagoa.

Quem tem retornos no rosto da amada junto à cancela,
E a lembrança dela numa saudade que é minha ainda,
Faz da estrada um verso assim,
Ela espera por mim com um aceno e um beijo de boas-vindas.
Flor morena, minha sina,
O teu riso é rima pra essa chacarera de lua linda.

A saudade aos poucos, dentro da noite, vai indo embora,
Largo da espora as duas estrelas quando a estrada finda,
Outro par de olhos negros
Me contam segredos desses que a noite nem sabe ainda...
A saudade é um mundéu,
Teu olhar é um céu pra essa chacarera de lua linda.

Festivais

CD/LP