Madalena Flor Do Campo

Madalena Flor Do Campo
(Rafael Teixeira Chiappetta, Carlos Madruga)

Madalena flor do campo,
Com dois olhos pirilampos,
De arrepiar então o pêlo.

Num domingo de carreira,
Me topei com a boieira,
Com uma rosa no cabelo.

Apeiei do meu picaço,
Já levando um tirambaço,
Do olhar da Madalena.

Num jeitão galanteador,
Fiz ruflar o tirador,
No compasso da chilena.

Era linda aquela china,
Num olhar de relancina,
Vi nos olhos um poema.

E num jeito sem alarde,
Recebi um buenas tarde,
Da xirua Madalena.

Ao sacar o meu sombreiro
Enganando um cavalheiro,
Me acheguei para uma prosa.

O motivo foi pra mim,
Em saber qual o jardim,
De onde veio aquela rosa.

A mais bela flor pampeana,
Esta prenda campechana,
Mais formosa que açucena.

Quando Deus criou as flores,
Pois eu digo pra os senhores,
Se inspirou em Madalena.

Quando então chegou a hora,
No picaço fui-me embora,
E a saudade foi ao tranco.

Nos meus sonhos vêm a cena,
Vejo então a Madalena,
Me abanando um lenço branco.

Festivais

CD/LP