Alma de Fronteira

Alma de Fronteira
(Rogério Villagrán, Enio Medeiros)

Chapéu tapeado pra enxergar de ponta a ponta
Lenço vermelho, bandeira de um maragato
Estampa guapa, tronqueira do nosso Estado
Enforquilhado num baio ovo-de-pato

Espora buena, buzinuda, tilintando
Marca o compasso do meu pingo troteador
Jeito atrevido de quem vem pedir bolada
Alma tisnada da poeira do corredor

Trago em reponte batidas de algum cincerro
Gritos de forma, por isso sou da fronteira
Meu berço xucro, sagrado torrão sulino
Onde o teatino cheira a terra de mangueira

Me criei taura, laçando e boleando potro
E abrindo a perna de alguma bolcada feia
Quando preciso, abro o peito companheiro
Por que um fronteiro não se enreda nas maneias

O meu cantar fala de doma e campereada
A minha voz é xucra igual berro de touro
E as minhas penas são queimaduras de laço
Que num guascaço nos deixam marcas no couro

Trago em reponte batidas de algum cincerro
Gritos de forma, por isso sou da fronteira
Meu berço xucro, sagrado torrão sulino
Onde o teatino cheira a terra de mangueira

Festivais

CD/LP