O Amor À Sombra Da Fuga

O Amor À Sombra Da Fuga
(Jaime Vaz Brasil, Ricardo Freire)

Filmar o amor em fuga
Enquanto assim se apresenta
É algo raro, difícil:
Só mesmo em câmera lenta.

Não da máquina, mas dele
No breve instante em que some
Contra algum muro de nuvens
E perde o rosto e o nome.

Lentificá-lo em palavras
Seria, talvez, um jeito
De tomar-lhe bem o pulso
Ou mesmo sondar-lhe o peito?

As razões de cada escape
Às vezes correm às vistas
Mais escoladas na história
De ler motivos, em lista.

Quando há medo, mesmo ao pássaro
É falso o vôo liberto.
É fuga em busca de água
Rumo à boca do deserto.

O pensá-lo mais concreto
Esgota a água e a sede.
É a colher gasta em silêncio
No arranhar da parede.

Esse amor, alma de elástico,
Atravessa o vão do muro
E enquanto foge de si,
Engole o próprio futuro.

Por isso, leva-se aos ombros
Em sina longa e estranha:
É sombra pulsando aos passos
Que ao corpo sempre acompanha.

E assim - por onde adormeça -
Carrega nele o dilema
De, mesmo ao dizer-se livre,
Expor as suas algemas.

Festivais

CD/LP