Meu Peito Tem Um Rincão

Meu Peito Tem Um Rincão
(Gujo Teixeira , Luiz Marenco)

Meu peito tem um rincão
Que é de alma e de campo aberto
Tem um tarumã por perto
Sombreando a calma por onde vivo
É um horizonte largo
Pra qualquer vista que se estender
Pois aprendeu a renascer
Sempre que a vida lhe dá um motivo

Às vezes no fim do dia
Depois que o mate seca a cambona
A saudade redomona
Busca um achego nos sonhos meus
E eu olho tudo na volta
Pra me dar conta logo em seguida
Que tudo isto é a vida
Que há muito tempo peço pra Deus

Qualquer cruzada na estrada
Se avista ao longe rancho e galpão
E por certo um redomão
Pastando à tarde sem notar
E um bando de garças brancas
Planando a alma e sua essência
Este rincão é a querência
Pra quem  amigo desencilhar

Esse rincão tem fronteiras
Que nem eu mesmo sei onde vão
Tem um rancho-coração
Que guarda todo o meu sentimento
Às vezes desaba a quincha
Perdendo a força que a vida cobra
Igual ao capim que dobra
Sempre pro lado que sopra o vento

Depois das chuvas de outono
Verdeja sempre a mostrar o viço
Talvez bem seja por isso
Que a enchente leve por diante a sanga
Tem por dentro ensimesmado
Todas as mágoas e seus amores
E se nele nascem flores
Crescem  espinhos das japecangas

Esse lugar em que falo
É um campo largo pra quem se achega
Nem sei dizer se ele chega
A ser todo meu se a saudade aperta
Tem sempre alguém esperando
Com boas vindas e cuia na mão
Meu peito tem um rincão
E um coração com a porteira aberta!

Festivais

CD/LP