Junto À Um Casal De Barreiros

Junto À Um Casal De Barreiros
(Eduardo Soares, Joca Martins)

Um potreiro junto às casas
Pra cavalhada da encilha
Silhueta de estância grande
Mouras, gateadas, rosilhas
Se perfilando na forma
Aos gritos do peão ponteiro
No ritual velho campeiro
De embuçalar a tropilha

Um casal de “joão barreiros”
No galho da pitangueira
Que amanhaceu florecida
Com brilhos de primavera
Bombeiam longe seu rancho
Erguido junto à tronqueira
No costado da porteira
Portal de campo e espera

Num florão de pingo
Num trote chasqueiro
Se vai o campeiro
De novo pra lida,
O jeito de estância
A alma de campo
Saudade de um rancho
Num sonho de vida

Na volta da campereada
No fim de mais outro dia
Um mate bueno cevado
Com gosto de nostalgia
Quem sabe as almas do campo
Deixem a prenda na espera
Para me abrir a cancela
Com saudade e alegria

Quem sabe a tarde se finde
Num pôr de sol da campanha
E eu siga mateando manso
Bombeando ao largo o potreiro
Talvez por ser um fronteiro
Tenha o destino de tantos
Cuidar tropilhas e campos
Junto à um casal de barreiros.

Festivais

CD/LP