De Fronteira E Chamamé


De Fronteira E Chamamé
(Rodrigo Bauer, Luciano Maia)

Quando a alma de fronteira morde o freio e longe vai,
O silêncio se emociona, transformado em sapucay!
O meu baio troca orelhas e parece que prevê
Que o instinto me convoca pra bailar um chamamé!

Troco o flete pelo barco... O Uruguai se faz pequeno
Pra saudade que eu abraço quando abro estes dois remos!
O meu peito tem remansos, camalotes, cachoeiras...
E nas cheias lava as mágoas aumentando as corredeiras!

A bailanta é de campanha, não tem luxo no lugar,
Mas tem uma correntina que acorrenta o meu olhar!
Traz nos olhos dois candeeiros que não cansam de luzir
E a magia da lunita que ilumina Taragüí!

Só quem mora na fronteira sabe o antes e o depois
De quem tem um só destino mas divide ele por dois...
Pois quem ama na argentina mas trabalha no brasil
Traz a alma canoeira recortada pelo rio!

Um cambicho desconhece as fronteiras e a distância,
Não importa se o sujeito é doutor ou peão de estância!
Chega manso e nos envolve, mesmo sem dizer porque
E é por isso que eu me encharco de fronteira e chamamé!

Festivais

CD/LP