Cantador de Campanha

Cantador de Campanha
(Sérgio Carvalho Pereira, Luiz Marenco)

Meu trabalho é de peão campeiro
Conforme diz meu documento
Sigo sem afrouxar nenhum tento
De campanha, crioulo e fronteiro
Mas eu trago outro oficio no mundo
Que esses fundos já sabem qual é
Canto baile nos ranchos de campo
Do Retiro a Azevedo Sodré

Bendição que carrego comigo
Ser um peão cantador de campanha
Com o gaitero eu me entendo por sanha
Pra pobreza eu até já nem ligo
Me chamaram pra sábado agora
Cantar um baile na costa do areal
Eu não tenho no bolso um real                             
Mas eu sou o cantador dessa gente de fora

Chão batido de saibro vermelho
Meia água de quatro por cinco
Vou mirando os buracos do zinco
E cantando ao clarão do cruzeiro

Que faz anos a guria mais nova
Lá do rancho do seu Gomercindo
Eu não sei qual o semblante mais lindo
Das três filhas da comadre Mosa
A Izabel, a Canducha e a Rosa
Nem te digo qual a mais bonita
Todas três com vestido de chita
Com pregueado de fita mimosa

O Amadeus na gaita de botão
E o Condonga no violão canhoto
E um zumbido igual gafanhoto
No pandeiro do negro Bujão
Duas moças vem do parador
E uma prima de São Gabriel
Pode ser que a menina Izabel
Faça uns olhos de graça pra este cantador

Se clareia agarremo a estrada
Que a pegada é só segunda feira
Vou cantando mais duas vaneiras
Dessas de iluminar madrugada

Chão batido de saibro vermelho
Meia água de quatro por cinco
Vou mirando os buracos do zinco
E cantando ao clarão do cruzeiro

Festivais

CD/LP