Extraviado

Extraviado
(Dionísio Costa, Celso Oliveira)

Aquele que junta o resto, do consumo do povoeiro
Já foi um taura campeiro, lidando pelas estâncias
Hoje é um retrato de campo, que a evolução jogou fora
E o modernismo ignora sua real importância
A sua prosa espichada, desdenhando a vida bruta
Silencia quando escuta canções falando em cavalos
Pois recorda em cada verso, que traz o chôro pra o rosto
Quando acordava disposto, com a cantiga dos galos

Lá vai mais um extraviado, pela ilusão da cidade
Cabresteando na saudade, suas lembranças campeiras
E nessa vida de andante, de apartar papel e lata
Se confunde co’a sucata, que campeia nas lixeiras

Sonhava em voltar de novo, pra o velho pago nativo
Mas o sonho por mais vivo, não lhe garante o sustento
Lembrança não traz os cobres, o sonho nunca deu nada
Nem a fome da piazada, se ameniza com lamento
Não sabe enganar ninguém, não nasceu pra ser bandido
Pois embora desnutrido, não perdeu a honestidade
Por isso arrasta alpargata, no mormaço da avenida
E na contramão da vida, puxa um carro de saudade

Festivais

CD/LP